CAMINHOS DE PAPEL

sábado, maio 14, 2005

FIM DE NOITE


Ele jogou o robe sobre uma cadeira, deixou os chinelos em posição de recebê-lo pela manhã e enfiou-se sob as cobertas. Ela, recostada no travesseiro lia uma revista. A luz tímida do abajur focava caras de famosos e ilhas inatingíveis. Com um suspiro jogou as páginas abertas sobre o tapete ao lado, olhou para o marido que começava a ressonar e apagou a luz.

3 Comentários:

  • Às 6:54 PM , Anonymous Izilda Bichara disse...

    Carlos,

    Também vim passear um pouco por seu blog e gostei bastante.
    Como ultimamente tenho me dedicado a escrever contos mínimos, gostei particularmente da concisão desse seu último texto. Está muito bom. Parabéns.
    Beijos,
    Izilda

     
  • Às 7:29 PM , Blogger Euzinha disse...

    Engraçado, li este texto e fiquei pensando em 'apagou a luz'. Eu me lembrei de "Alegoria da Caverna". Sair ou entrar, só que na escuridão de nós mesmos... Viajei no seu texto...risos... Beijos,
    Dani

     
  • Às 8:35 PM , Blogger Carlos disse...

    De alguma forma este post me lembrou de um conto de Raduan Nassar chamado "hoje de Madrugada" (pode ser encontrado no livro Menina a caminho).

     

Postar um comentário

Assinar Postar comentários [Atom]

<< Página inicial