CAMINHOS DE PAPEL

domingo, setembro 03, 2006

ACERTO DE CONTAS

Então ficamos assim:
o dito pelo não dito,
e o feito, agora desfeito.

A dor, essa não conta,
apronta a qualquer momento,
num tormento meio sem jeito,
cria um destino que afronta,
numa ponta de despeito
feito de um caso ao vento.

Então acertamos assim:
amor por indiferença,
sem licença ou perdão, enfim,
e a ternura imaginada sem fim,
para mim esgotada na essência,
para você, resgate da solidão
de uma paixão que era apenas um mito
e um grito solto na escuridão.

Então fechamos assim:
quero meu Neruda de volta,
fique com a Elis atrás da porta.
A mim, só coisas em desuso,
abuso da posse perdida
e um acerto chegando ao fim,
num pedaço esquecido da vida.

Este poeminha foi selecionado para fazer parte do livro editado pela Universidade Federal de São João del-Rei, no concurso promovido por ela.

agosto de 2006




1 Comentários:

  • Às 11:15 AM , Anonymous Mônica Montone disse...

    Muito bacana, querido!!!!

    Adoreeeeeeei isso: Então fechamos assim:
    quero meu Neruda de volta,
    fique com a Elis atrás da porta.

    beijos

    MM

    Ps: leia se puder o texto do botter no www.blonicas.zip.net com o título "quem vota nulo vota Lulo"

     

Postar um comentário

Assinar Postar comentários [Atom]

<< Página inicial